Big Data chega ao Big Mac

Big Data chega ao Big Mac

O big data parece ter aterrissado no McDonald’s. A rede de fast food anunciou a compra de uma empresa de inteligência artificial, a Dynamic Yield. A empresa é focada em sistemas de personalização automáticos.
Com a nova aquisição o McDonald’s espera criar menus interativos e personalizados para agradar os clientes. A intenção é oferecer, por exemplo, bebidas e sobremesas de acordo com o tempo. E das recomendações de sanduíches de acordo com outro item que o cliente tenha selecionado ou com base no que é mais vendido nos restaurantes da rede. Em 2018, foram realizados vários testes em restaurantes nos EUA.

Para implementar os algoritmos, a Dynamic Yield vai precisar monitorar uma grande quantidade de dados.  Desde a temperatura, o horário da compra e o histórico de venda de cada restaurante da rede. Todos os dados são cruzados e analisados. Isso é o que chamamos de big data.

+++Celulares Dobráveis – Foi Dada À Largada

A rede

Atualmente, McDonald’s conta com 38 mil restaurantes em mais de 100 países.

Mais tecnologia

É preciso dar um salto tecnológico para se manter na vanguarda, e oferecer experiências ao cliente.
Uma das grandes inovações nessa área de fast food, no entanto vem da parceria entre a chinesa Alibaba e o KFC. Essa parceria que em 2017 implementou um sistema de reconhecimento facial em que o pagamento era efetuado com um sorriso (Smile to Pay)

Já o restaurante Wow Bao de Chicago implementou um sistema que detecta clientes fidelizados na fila e um menu interativo personaliza as opções favoritas do cliente.

 

Mc TEC na prática

 

O Mc não deve implementar nada muito elaborado neste início. O foco agora é usar a tecnologia nos drives da rede nos Estados Unidos para diminuir filas.
De acordo com assessoria de imprensa, a tecnologia vai permitir ao McDonalds ser uma das primeiras empresas a integrar tecnologia que ajuda decisões em pontos de venda físicos.
Em 2020, a tecnologia deve expandir para os restaurantes da rede fora dos Estados Unidos. Será que chega aqui no Brasil?

“Quando se servem 68 milhões de clientes todos os dias, a nossa capacidade para aprender com os seus comportamentos e traduzir isso em tecnologia é imbatível”, disse o presidente executivo do McDonalds, Steve Easterbrook.

+++Inteligência De Dados: Como O Consumidor Se Comporta No Dia A Dia Através Da Geolocalização

MC NEGOCIAÇÃO

Os valores da negociação, mas estima-se que os valores tenham ultrapassado os 300 milhões de dólares.
É a maior aquisição da empresa em 20 anos, desde a compra da cadeia de restaurantes de frango frito Boston Market em 2000.
Já a Dynamic Yield desenvolve algoritmos para recomendar produtos e serviços desde 2011.

Interoperabilidade clínica: a ciência de dados que pode salvar vidas

Interoperabilidade clínica: a ciência de dados que pode salvar vidas

* Claudio Santos,

Interoperabilidade clínica – Em quatro décadas, a expectativa de vida do brasileiro saltou de 62,52 anos em 1980 para 75 anos,  em 2018, segundo dados apresentados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

 

Embora o aumento da perspectiva de vida deva ser comemorado, os desafios na área da saúde, com a baixa capacidade do sistema de saúde em atender a alta demanda para esse tipo de atendimento, e a ineficiência em processos simples como a interoperabilidade de dados clínicos, trazem à luz a discussão sobre as oportunidades que o setor de tecnologia tem pela frente.

E, essa é uma das razões que a saúde é o setor da economia que mais tem experimentado uma modernização de processos com novas ferramentas e soluções tecnológicas, que estão provocando uma transformação no segmento.

De acordo com a IDC, o mercado de TI vai movimentar US$ 2,7 trilhões até 2020 e boa parte desse montante será aplicada na área da saúde.

Os avanços trouxeram inúmeros benefícios para essas instituições, mas ainda há um gargalo a ser superado: como registrar o histórico dos pacientes?

 

+++ Como manter os filhos seguros nas redes

 

Do médico residente em uma UBS ou de um hospital, do Norte ao Sul do país, as informações dos pacientes geralmente residem em vários locais dispersos.

E pior que isso, a falta de conhecimento do histórico de atendimento é a causa de um enorme prejuízo para os hospitais  do Brasil.

Segundo a Associação Nacional de Hospitais Privados (ANAHP), o desperdício com fraudes, compra indevida de insumos, e exames desnecessários, chegou à cifra de R$ 100 bilhões no ano passado. Infelizmente, a repetição de exame se tornou uma realidade do Brasil, porque os sistemas hospitalares ainda estão presos ao papel e os sistemas internos não se comunicam, e esse problema gera prejuízos tanto aos sistemas públicos e privados de saúde.

 

+++ Accenture fecha 7 aquisições em 12 dias, uma delas no Brasil

 

Mas há uma saída para reduzir esses custos e garantir que os dados do paciente permaneçam acessíveis: Investimento em interoperabilidade.

Mais que uma tecnologia, a integração de dados  é um conceito que assegura que os sistemas de saúde e seus funcionários troquem informações de maneira eficaz e coordenada – evitando retrabalhos e desperdícios, mitigando riscos relacionados a falhas humanas quando lidam com informações sensíveis de pacientes. e isso acontece porque esse tipo de solução não visa apenas oferecer aos provedores de saúde uma vantagem competitiva em relação a concorrência, mas permitir que os pacientes sejam atendidos de forma mais rápida e eficiente.

 

Imagine que sem acesso a todas as informações do paciente, os médicos não estão preparados para tomar as melhores decisões sobre diagnósticos, mas basta algumas etapas simples para que as organizações se tornem bem sucedidas ao tornar os sistemas hospitalares interoperáveis.

O primeiro passo é a integração interna. O que motiva a digitalização de dados da saúde é a busca por eficiência operacional, um aspecto vital em um setor tão sensível. Embora a adoção generalizada de registros eletrônicos de saúde (EHRs) seja considerada uma vantagem estratégica, nem sempre é fácil de ser alcançada.

 

Uma pesquisa da revista americana, Becker’s Hospital Review, principal publicação do segmento hospitalar no mundo, mostra que para 72% dos gestores da área, a falta de capacidade de integrar todas as informações, de vários setores dentro de um centro clínico, impede a redução de carga de trabalho de colaboradores e prejudica a eficiência da operação. Garantir o sucesso do gerenciamento de todas essas informações é o primeiro passo na preparação para uma interoperabilidade em larga escala.

Depois, é preciso assegurar a integração com a automatização de processos manuais. Muitas corporações ainda operam em uma infraestrutura desatualizada que requer trabalho manual para coletar e transferir todas as informações. Essa tarefa gera gastos excessivos com a força de trabalho e, mais do que isso, demanda tempo em atividades que poderiam ser facilmente automatizadas.

A interoperabilidade aqui visa reduzir esses custos e liberar os funcionários para se concentrarem em atividades mais estratégicas e de maior valor para a organização e para a vida das pessoas.

Por fim, é preciso estar preparado para as transições constantes. É possível que a criação de um novo departamento afete o orçamento da instituição.

Ou talvez, a mudança de um fornecedor de estoque venha impactar a cadeia de fornecimento de insumos ou de equipamentos. Uma estratégia bem sucedida de interoperabilidade deve levar em conta essas mudanças, garantindo que elas não interrompam a capacidade de trafegar os dados entre sistemas.

Depois dessas etapas, podemos trazer a discussão para um próximo nível: o do empoderamento. É que com os dados na palma da mão, o paciente pode ter acesso ao seu histórico clínico, tornando-se mais responsável pela sua própria saúde e capacitado para cobrar por um atendimento melhor. E, para as organizações, o benefício é ainda maior, porque a eficiência criada por uma base analítica de informações clinicas permitem otimizar a oferta de serviços, e, reduzir custos desnecessários causados pela ineficiência e repetição de processos.

Então, a área da saúde também precisa enxergar que a salvação para muitas vidas está também na inteligência e integração de dados.

* Diretor Estratégico da Divisão de Saúde da Infor. 

 

Robôs inovam o mercado com o uso da expertise humana

Robôs inovam o mercado com o uso da expertise humana

Robôs – As grandes empresas buscam novas tecnologias e inovação para se adaptar ao crescimento do mercado e às exigências de seus clientes. Empresas no ramo de tele atendimento principalmente, têm adotado estratégias personalizadas que integrem com as suas aplicações existentes para garantir uma melhor experiência do cliente e acelerar os processos.

 

A URA (Unidade de Resposta Audível) que está em alta no mercado, se destaca por proporcionar rapidez no atendimento e entrega de resultados, podendo validar informações, solicitar endereços, enviar segunda via de boletos, além de outras ações que antes só poderiam ser realizadas por um humano.

 

Um robô pode auxiliar um agente reduzindo ações redundantes e permitindo que o operador atue em demandas especificas de modo que garanta a qualidade no atendimento.

 

Segundo o CEO da Comunikime, maior parceiro Aspect Latam, Cesar Leitão, “o robô é vantajoso tanto para o cliente quanto para as empresas já que substitui um humano com script robotizado com um custo mais elevado por um atendimento mais ágil dispensando fila de espera ou perda de tempo por ambas as partes”.

 

Em entrevista ao Jornal Nacional na última semana, a Anatel informou que houve crescimento das reclamações direcionadas às empresas que utilizam robôs em decorrência das inúmeras ligações interrompidas após o atendimento.

 

Importante destacar que os robôs respeitam as estratégias desenhadas, logo, “se utilizadas de maneira preditiva como recomendado, as discagens serão iniciadas com base na disponibilidade dos agentes disponíveis para o atendimento imediato, evitando com isso a interrupção de chamadas sem atendimento”, informa Leitão.

 

É indispensável que os robôs sejam geridos por profissionais com expertise nesse segmento.

 

+++ Clipping – Vamos debater Segurança e Transformação Digital

 

Em 2017, a Comunikime conquistou o Prêmio Best Performance com o case “Como melhorar a performance e reduzir custos sem robotizar a operação”, demonstrando que a Ura quando utilizada de forma correta é eficiente e agrega valor para as empresas de Contact Center, sem desrespeitar o cliente como noticiado.